Rio de Janeiro, 12 de junho de 2013

 

 

Prezados Companheiros

 

É com prazer que transmitimos uma síntese do Fórum dos Países de Língua Portuguesa, com abertura no dia 7 (sexta feira, no Clube Ginástico Português) e encerramento no dia 9 (domingo), no Iate Clube do Rio de Janeiro.

 

Foi registrada a presença de 140 pessoas, sendo aproximadamente 20% de participantes vinculados à entidades da sociedade civil (não Leões). Dentre os participantes do movimento contamos com Companheiros dos Estados do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Goiás, Minas Gerais e São Paulo.

 

A avaliação apontou que 100% dos participantes consideraram bom o evento. As opções de regular e ruim foram zero.

 

Foi inicialmente elaborado um documento base e, ao seu término, um documento final (carta de intenções), que foi aprovada pelo plenário e entregue ao Presidente Internacional, Wayne Madden, no encerramento do Fórum. (itens 1 e 5)

 

O programa (item 2) foi rigorosamente cumprido com a participação de praticamente todos os convidados.

 

Foi aprovada a proposta de adesão do Lions a um movimento que objetiva que a Língua Portuguesa seja considerada como um dos idiomas oficiais da ONU. (item 3).

 

Um ponto relevante foi a integração do Lions com a Associação das Universidades de Lingua Portuguesa (que mantém vínculo com dezenas de universidades nos oito paises lusófonos) (item 4).

 

O ex-Diretor Internacional Zander Campos da Silva e a ex-Diretora Internacional Rosane Vaillard transmitiram importantes mensagens. O primeiro, presencialmente, engrandeceu o Fórum e a última, através de mensagem virtual, enalteceu a importância de atividades dessa natureza.

 

Foram expositores dois reitores de universidades brasileiras (Profs. Adolpho Pollilo e José Raymundo Martins Romeo, respectivamente da Universidade Federal do Rio de Janeiro e da Universidade Federal Fluminense e Universidade Gama Filho. Também presente a Sub-Reitora de Graduação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Professora Lená Menezes.

 

Foram coordenadores de mesa e expositores os CLs. Selma Aragão, Fernando Mota, Francisca Talarico, Armênio Santiago Cardoso, Olavo Divino Vieira (que discorreu sobre a atuação do Lions nos Países Lusófonos), Suely Silva e Almir Baptista.

 

Presente também, na abertura, o Conselho de Governadores do Distrito LC, na pessoa de sua Presidente, CaL Janete Conessa e a AGDL – Associação dos Governadores dos Distritos Múltiplos “L”, representado por seu ex-Presidente (e presidente da Academia Brasileira de Cultura Leonística), o CL Dorivaldo Barros.

 

Recebemos diversas mensagens de Lions Clubes de Portugal registrando os agradecimentos pelo evento e esperando poder participar em novas ocasiões.

 

Igualmente manifestação de apoio da Reitora da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, Profª. Nilma Lino Gomes

 

As palestras serão inseridas ainda em junho de 2013 no site www.lionslideranca.org.br

 

O cartaz do evento encontra-se armazenado no link http://www.lionslideranca.org.br/forum_lp2.htm

 

Colaboraram fortemente com o evento os integrantes da equipe do Instituto de Liderança do Distrito LC1 (e convidados) e a equipe de apoio da Governadoria.

 

Presentes diversos ex-Governadores (além dos já nominados os CLs Nelson Mesquita, Dorivaldo Barros, Julio Pina, Achilles Machado Filho, Gerson Vilela Souto, Luiz Antonio Avelar (MG) e Hélio Santos (RS).

 

Destaque para apresentação do Coral de Crianças da Orquestra Sinfônica Brasileira.

 

Durante o Fórum foi realizada a cerimônia de lançamento do Selo Comemorativo aos 60 anos do Lions em Portugal e aos 61 do Lions no Brasil, através do Diretor Comercial da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.

 

Foi apresentada da Plataforma Lusófona de Intercâmbio de Conteúdos Culturais, Audiovisuais, cursos e treinamento (Projeto Web TV CPLP), com a apresentação do Prof. Elmer Barbosa,

 

O Clube Ginástico Português, presidido pelo CL Armênio Santiago Cardoso, prestou toda a colaboração para a realização do Fórum.

 

No momento do encerramento estiveram presentes diversos dirigentes leonísticos que acompanhavam a comitiva do Presidente Internacional.

 

Em nome da Equipe de Coordenação (CLs.Suely Silva, Armênio Cardoso, Almir Baptista, Francisca Talarico e Pulucena Silva) queremos agradecer a todos os que participaram do evento, em especial à CaL Selma Aragão, na certeza de que poderão existir muitos frutos para o Leonismo e para a sociedade.

 

CL João Roberto Moreira Alves

Coordenador do Fórum

 

 

1. – Documento base

 

Lions Internacional, através do Distrito LC1, dentro das comemorações definidas pelo Governo do Brasil e Portugal para que no período de 7 de setembro de 2012 e 10 de junho de 2013, respectivamente Dia da Independência do Brasil e Dia de Portugal, fossem promovidos encontros e atividades, aprovou a realização do Forum dos Países de Língua Portuguesa, que tem como um dos principais objetivos reafirmação das relações lusófonas.

 

Outra intenção que embasou a decisão foi o de evidenciar as ações positivas realizadas nos campos da educação, cultura e bem assim em programas de ajuda humanitária que existem entre as nações que integram a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, que foi criada em 1996 (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

 

O Fórum pretende, por fim, proporcionar condições para que sejam estreitados os laços de amizade e irmanações entre os Clubes de Serviço, assim como demais organizações educacionais, culturais e assistenciais.

O público-alvo é constituído pelos dirigentes e associados de Clubes de Serviço, integrantes de entidades públicas e privadas, dirigentes de estabelecimentos de educação e cultura, professores, estudantes e demais pessoas interessadas nas relações lusófonas.

Lions é a maior organização de serviços do Mundo. Foi fundado em 1917, nos Estados Unidos da América, onde tem sua sede. Atua em 207 países e área geográficas, nos cinco continentes, através de 47.177 Clubes, que congregam 1.354.208 associados.

Atua na quase totalidade dos países lusófonos, com maior predominância no Brasil (onde o movimento foi criado em 1952 e funcionam 1.554 Clubes) e em Portugal (cujas ações foram reconhecidas em 1962 existindo 98 Clubes). Nos demais países há Lions Clubes em Angola, Moçambique, Cabo Verde e Timor-Leste. Não funcionam atualmente Lions em São Tomé e Principe e Guiné Bissau.

As informações completas sobre o Lions podem ser obtidas através do site http://www.lionsclubs.org/PO/index.php

As apresentações e conclusões do Forum serão disponibilizadas no site www.lionslideranca.org.br

Os participantes receberão eletronicamente (até 30 de junho de 2013) em seus e-mails os certificados de participação.

Todos os trabalhos realizados pelo Lions são feitos de forma voluntária.

O documento final do Fórum será entregue ao Presidente Internacional, Wayne A. Madden, no dia 9 de junho, quando oficialmente será encerrado o evento.

Ressalta-se que o Fórum dos Países de Língua Portuguesa é uma realização de Lions Internacional, através de seu Distrito LC 1, contando com a participação de associados de Clubes de diversos Estados brasileiros e de pessoas vinculadas a outros organismos sociais.

Por fim o evento proporcionará subsídios (para estudos de Lions Internacional) acerca de estabelecimento de parcerias entre as nações que possuem um mesmo idioma - a oitava língua mais falada no mundo – em benefício do desenvolvimento de ações humanitárias.

Em nome da Governadora do Distrito LC 1, Selma Aragão, a Comissão Organizadora registra os agradecimentos pela presença de todos os que participam do evento.

 

Comissão Organizadora do Fórum dos Países de Língua Portuguesa

 

 

 

2. – Programa

 

7 de junho de 2013 (sexta feira)

Clube Ginástico Português – Av. Graça Aranha, 187 – Centro

 

9h30 – Credenciamento

 

10h – Abertura

Drª. Selma Aragão – Governadora do Distrito LC 1 de Lions Internacional

Dra. Suely Silva –Ex-Governadora do Distrito LC 1 de Lions Internacional - Invocação Deus

Dr. João Roberto Moreira Alves – Coordenador do Fórum (Mestre de Cerimônias) – Informações sobre o Fórum

Apresentação do Coral da Orquestra Sinfônica Brasileira

Dr. Armênio Santiago Cardoso – Presidente do Clube Ginástico Português e Ex-Presidente do Conselho de Governadores do DML de Lions Internacional – Saudação aos participantes e homenagem ao Patrono

Dirigentes de Lions e autoridades

 

11h – Conferência Magna

Dr. Adolpho Polillo – Ex-Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Vice-Presidente da Federação das Academias de Letras do Brasil e Vice-Presidente da Academia Luso Brasileira

 

Apresentação institucional

Prof. Elmer Barbosa – Projeto da TV CPLP - Plataforma Lusófona de Intercâmbio de Conteúdos e TV CPLP via WEB

 

12h30 – Almoço livre

 

14h – A educação e a cultura na Comunidade de Países de Língua Portuguesa

Dr. José Raimundo Martins Romeo – Ex-Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras e Ex-Reitor da Universidade Federal Fluminense e Reitor da Universidade Gama Filho

Drª. Helena Theodoro – Doutora em Filosofia, Pesquisadora e professora universitária e Vice-Presidente do Conselho Estadual dos Direitos do Negro no RJ

Prof. Msc. Fernando Mota (coordenador) – 1º Vice-Governador do Distrito LC 1 de Lions Internacional (Governador eleito AL 2013/2014)

 

15h – Intervalo

 

15h30 – Programas de cooperação entre os Lions Clubes dos Países de Língua Portuguesa e atuação do Lions nos Países de Língua Portuguesa

Dr. Zander Silva – Ex-Diretor Internacional de Lions

Prof. Olavo Vieira – Ex-Governador do Distrito LC 1

Dra. Francisca Talarico – 2ª Vice-Governadora do Distrito LC 1

 

Lançamento de selo comemorativo ao Lions – EBCT

 

17h – Homenagem aos líderes do programa de integração luso-brasileira no âmbito de Lions Internacional

Dr. Almir Baptista – Ex-Governador do Distrito LC 1 de Lions Internacional e Vice-Presidente do Clube Ginástico Português

 

Análise de propostas para um documento final e aprovação da Carta do Fórum

Dr. João Roberto Moreira Alves – Ex-Governador do Distrito LC 1 de Lions Internacional e Coordenador do Fórum

 

17h30 – Encerramento dos trabalhos

Drª. Selma Aragão – Governadora do Distrito LC 1 de Lions Internacional

 

 

9 de junho de 2013 (domingo)

 

13 h – Encontro de confraternização com a presença do Presidente Internacional Wayne A. Madden e apresentação das conclusões, entrega da Carta do Fórum e encerramento. (Iate Clube Rio de Janeiro)

 

 

 

3 - MEMORIAL PARA TORNAR O PORTUGUÊS UMA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DAS NAÇÕES UNIDAS

 

Fundamenta proposta à Organização das Nações Unidas para oficializar o Idioma Português

CONSIDERANDO que mais de 270 milhões de pessoas se expressam no idioma português, com importante presença sociocultural e geopolítica em várias nações de todos os continentes, sendo a 5a mais falada no mundo (em números absolutos), a 3a entre as consideradas línguas universais de cultura e uma das 4 faladas nos seis continentes;

CONSIDERANDO que estudos mostram que o Brasil deve tornar-se a quinta economia do mundo em 2016, que é o terceiro país em negócios na bolsa de Nova York;

CONSIDERANDO que o Português é o Idioma Oficial de 8 países – Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste – sendo falado também na antiga Índia Portuguesa (Goa, Damão, Diu, e Dadrá e Nagar-Aveli), Macau e Guiné Equatorial, tendo estatuto oficial na União Europeia, no Mercosul e na União Africana, constituindo importante idioma minoritário em Andorra, Luxemburgo, Paraguai, Namíbia, Suíça e África do Sul, além de estar presente, através de numerosas comunidades de imigrantes, em várias cidades em todo o mundo, como Paris na França; Toronto, Hamilton, Montreal e Gatineau no Canadá; Boston, New Jersey e Miami nos EUA e Nagoya e Hamamatsu no Japão;

CONSIDERANDO que uma língua, além de meio de comunicação, expressa conteúdo existencial, modos de sentir, de pensar e de viver de grupamentos humanos, constituindo, através dos séculos, uma identidade cultural, com peculiar criatividade, valores ético-sociais e sentimentos coletivos, refletidos no idioma que são intraduzíveis e que necessitam continuar vivendo e revelando culturas;

CONSIDERANDO que a lusofonia vem se situando de forma crescente em várias partes do mundo, pelos seus escritores, poetas, inventores, cientistas, artistas, somando-se desde os navegadores e descobridores que fizeram sua história, com significativa presença nos meios de comunicação de massa através de telenovelas, noticiários, reportagens, etc., projetando-se na literatura, música, esportes e artes em geral;

CONSIDERANDO que nosso idioma, ao se tornar oficial no universo da ONU, colocando-se em condições de igualdade com outros idiomas, é ato de respeito e apoio às comunidades das nações de língua portuguesa, valorizando sua unidade e participação socioeconômica-cultural no contexto internacional;

CONSIDERANDO o trabalho da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa / CPLP, que tem alcançado novos contornos nas relações internacionais, minimizando conflitos ideológicos do passado e ressaltando suas potencialidades nacionais e parcerias internacionais, com documentos de Chefes de Estado e de Governo das oito nações, em projetos de cooperação que estão dando corpo e alma aos fundamentos dessa nova Comunidade;

CONSIDERANDO que a comunidade – CPLP – tem se empenhado em valorizar os seus três pilares – da política, da economia e da cultura, que colocam em conexão, de maneira respeitável, a África, a América Latina e a Europa, enfatizando o caráter universalista da lusofonia, que cada vez mais se afirma em nível supranacional;

CONSIDERANDO que a iniciativa de tornar oficial o idioma português na ONU é, em verdade, prestar um histórico serviço aos países de língua portuguesa, que constituem uma comunidade presente e atuante em todos os Continentes, com expressiva população, incluindo: Brasil, com 193 milhões de habitantes, uma das dez maiores economias do mundo, líder natural do MERCOSUL; Portugal, com 10,5 milhões; Angola, com 18,5 milhões; Moçambique, com 24 milhões; Cabo Verde, com 523 mil; Guiné Bissau, com 1 milhão e 647 mil; São Tomé e Príncipe, com 183 mil e Timor-Leste, com 1 milhão (estimativas recentes), que somam variados costumes, crenças, raças, tendências políticas e que têm a lusofonia como forte laço de identidade cultural e cooperação;

CONSIDERANDO que o idioma português ocupa o quinto lugar dentre as principais línguas usadas na internet, atrás apenas do inglês, do chinês, do espanhol e do japonês (fonte: Internet World Stats, 2010), e que é a terceira língua mais usada nas postagens feitas no Twitter, atrás apenas do inglês e do japonês (fonte: Semiocast, 2010);

CONSIDERANDO que o idioma português está cada vez mais presente nas organizações internacionais, como atesta o seu uso como língua de trabalho nas comissões e sessões plenárias da Conferência Internacional do Trabalho da OIT;

SOLICITAMOS à Organização das Nações Unidas que efetivamente proceda à consideração da inclusão em sua agenda da questão do reconhecimento do Português como uma de suas línguas oficiais.

 

Colaboração de Waldenir de Bragança

Presidente de Academia Fluminense de Letras

 

 

 

4. - Integração do Lions com a Associação das Universidades de Lingua Portuguesa

 

 

Agradeço o convite para falar sobre “A Criação e Implementação de um Programa de Colaboração no Intercâmbio de Conteúdos Culturais entre Estados que integram a CPLP”.

 

Focalizarei um importante mecanismo de colaboração e intercâmbio, já existente, que se apoiado, pode ser o grande veículo para a cooperação cultural entre os países da CPLP, entendida a cultura também em seus aspectos de Educação, Ciência e Tecnologia.

 

Refiro-me à AULP – Associação das Universidades dos Países de Língua Portuguesa; A AULP, antecedeu à CPLP, sendo criada na cidade de Praia, República de Cabo Verde, em 1987.

 

Participaram do ato de fundação da AULP Reitores de Universidades do Brasil, de Portugal, de Angola e de Moçambique, assim com diretores de Instituições de Ensino Pós-Secundário de Guiné-Bissau e Cabo Verde.

 

As tratativas para a constituição de uma Associação de Universidades dos Países de Língua Portuguesa iniciaram em 1984, lideradas pelo Presidente do CRUP (Conselho de Reitores de Portugal), Professor Antonio Simões Lopes, então Reitor da Universidade Técnica de Lisboa.

 

O Presidente do CRUP, no início de 1985 visitou o CRUB (Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras) do qual, à época, eu era o Presidente.

 

A idéia de criação da AULP foi apresentada em Reunião Plenária do CRUB e aprovada por unanimidade.

 

Na ocasião as relações entre Portugal e as Ex-Colônias ainda eram tensas; a presença do Brasil, através do CRUB, agregou confiança às negociações.

 

Como Presidente do CRUB, iniciei intensa correspondência com as instituições de Educação Superior dos Países de Língua Portuguesa.

 

O processo de criação da AULP evoluiu, culminando com a fundação da Associação em 1987, na República de Cabo Verde.

 

Foram Instituidores:

 

Pelo Brasil

 

_ Universidade Federal Fluminense

 

_Universidade Federal do Espírito Santo

 

_Universidade Federal do Maranhão

 

_Universidade Católica de Pelotas

 

_Universidade de Caxias do Sul

 

 

 

Por Portugal

 

_Universidade Técnica de Lisboa

 

_Universidade Clássica de Lisboa

 

_Universidade de Coimbra

 

_Universidade de Aveiro

 

 

 

Por Moçambique

 

_Universidade Eduardo Mondlane

 

 

 

Por Angola

 

_Universidade Agostinho Neto

 

 

 

Por Guiné-Bissau

 

_Instituto Nacional para o Desenvolvimento da Educação

 

 

 

Por Cabo Verde

 

_Escola Náutica

 

_Instituto Amilcar Cabral

 

_Instituto Nacional de Investigação Agrária.

 

 

Logo após o encontro em Cabo Verde os participantes deslocaram-se para Évora – Portugal, onde realizou-se a primeira reunião da novel Associação, sendo eleito primeiro Presidente o Reitor Simão Lopes da Universidade Técnica de Lisboa, com mandato de três anos.

 

A Presidência deveria ser exercida por dirigentes de Instituições de Educação Superior dos diversos países lusófonos.

 

O primeiro Presidente Brasileiro foi o Reitor Rui Pauletti, da Universidade de Caxias do Sul, depois Deputado Federal.

 

Em 24 anos de existência, a AULP, prosperou possuindo atualmente 131 membros associados.

 

Angola                                    15

 

Brasil                                      48

 

Cabo Verde                              7

 

Guiné-Bissau                            3

 

Macau                                       6

 

Moçambique                             7

 

Portugal                                  43

 

São Tome e Príncipe               1

 

Timor Leste                              1

 

A AULP tem como objetivo promover a cooperação entre Universidades e Instituições de Educação Superior dos Países da CPLP, através do Intercâmbio de pesquisadores, docentes, estudantes, o estímulo a reflexão sobre o papel da Educação Superior, o desenvolvimento de projetos conjuntos de pesquisa, bem como com a criação de um mercado comum do conhecimento, que permitirão a profícua circulação e difusão da cultura entre os países lusófonos.

 

Seu estatuto tem como premissas e objetivos:

 

Considerando as relações políticas e culturais que ligam os Povos e Governos dos Países e Regiões de língua Portuguesa,

 

Considerando de que a cooperação das Universidades e Instituições de Ensino Superior e Investigação dos Países e Regiões de Língua Portuguesa resultará em vantagens para as instituições associadas e para um desempenho enriquecido da sua missão social,

 

Reconhecendo a importância e utilidade da Língua Portuguesa como vector de difusão e promoção das aquisições e conquistas da ciência, cultura e tecnologia contemporâneas em cada uma das nossas instituições associadas e nas comunidades em que se inserem,

 

As Universidades e Instituições de Ensino Superior e de Investigação dos Países e Regiões de Língua Portuguesa decidem constituir um instrumento vocacionado a promover a cooperação entre si, a Associação das Universidades de Língua Portuguesa (A.U.L.P.), adiante por Associação.

 

Art. 1º.

 

É constituída a Associação das Universidades de Língua Portuguesa (A. U. L. P.)

 

 

OBJETIVOS

 

A Associação das Universidades de Língua Portuguesa (A. U. L. P.) visa promover a cooperação entre as Universidades e Instituições de Ensino Superior e de Investigação que dela sejam membros.

 

Para concretização deste objetivo compete, especialmente, à Associação:

 

 

a) Promover e apoiar iniciativas que visem o desenvolvimento da língua

Portuguesa;

b) Receber e apoiar o contributo de todos os que, em Universidades e Instituições de Ensino Superior de diferentes idiomas, estudam a Língua Portuguesa e as culturas nela veiculadas;

c) Promover projectos de investigação científica e tecnológica conjuntos nas áreas ou temas de interesses dos associados, estimulando o conhecimento da realidade a cooperação entre os povos e o desenvolvimento de cada um dos Países;

d) Incrementar o intercâmbio de docentes, investigadores, estudantes e pessoal administrativo com vista à participação em acções de natureza pedagógica, científica, cultural e administrativa que se realizem em cada um dos membros da Associação.

e) Promover a circulação de informação científica, técnica, pedagógica e cultural, o intercâmbio de revistas e publicações científicas, bem como a edição e a divulgação de trabalhos científicos.

f) Estimular a elaboração de acordos bilaterais e multilaterais entre os membros da Associação em todos os domínios do seu interesse e particularmente no âmbito das equivalências de habilitações literárias e graus científicos e acadêmicos conferidos pelas Instituições associadas;

g) Fomentar a reflexão sobre o papel do Ensino Superior, suas estruturas e meios de acção no mundo atual e particularmente nas sociedades em que estão inserida;

h) Apoiar a criação de estruturas de ensino e de investigação que facilitem a realização dos fins da Associação;

i) Desenvolver colaboração com as associações congêneres de outras áreas linguísticas, bem como organizações internacionais no âmbito do Ensino Superior da Ciência e da Cultura.

 

Em junho de 2011, na cidade de Bragança, Portugal, realizou-se com a presença de 463 participantes o vigésimo primeiro Encontro da AULP; no encontro foi eleito Presidente o Reitor da Universidade Lúrio, de Moçambique, Professor Jorge Ferrão.

 

O Reitor Jorge Ferrão sucede na Presidência, o Reitor Clélio Campolina Diniz, Reitor da UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais.

 

O Reitor Clélio Campolina, em seu mandato, propôs Programa de mobilidade entre os membros da AULP. No seu dizer um – “Erasmus lusófono”.

 

Para suportar a mobilidade o Ex-Presidente sugeriu a criação de um fundo, de 5.000.000 de Euros a ser constituído pelos países da CPLP, inclusive o Brasil.

 

O Reitor criou na UFMG o Programa PIAPEE – “Programa Internacional de Apoio à Pesquisa, Ensino e Extensão” - a ser desenvolvido pelos países lusófonos.

 

Pelo apresentado considero que apoiar a AULP, instituição já existente e que em seus 24 anos prosperou de forma significativa, deve ser um instrumento importante para a implementação do Programa de Intercâmbio de Conteúdos Culturais entre os Estados que constituem a CPLP.

 

As Universidades Brasileiras poderão atuar efetivamente, através da mobilidade de professores e alunos, recebendo-os e enviando-os aos demais países da CPLP. Gerando projetos comuns de pesquisa e desenvolvimento, poderão transformar a comunidade da CPLP, de compradores – a produtores de tecnologias mais adaptáveis as suas regiões.

 

Através das atividades culturais, dos teatros, dos programas de artes, principalmente cinema, das editoras universitárias, as Universidades Brasileiras podem, através da AULP, ser agentes efetivos para afirmação da lusofonia, para a criação de um espaço real, onde todas, irmandades pela língua Portuguesa possam exercitar a grande aventura do ser humano, a busca da felicidade.

 

José Raymundo Martins Romeo

 

 

 

5. – Conclusões

 

CARTA DE INTENÇÕES DO FÓRUM DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

 

Lions Internacional, através do Distrito LC-1, aprovou a realização do Fórum dos Países de Língua Portuguesa, que tem como um dos principais objetivos a reafirmação de relações entre esses povos.

 

A necessidade de ajuda humanitária nesses países mostrou ao Lions Clube Internacional um novo caminho. Hoje, o Lions está presente em seis dos oito países de Língua Portuguesa – Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, Portugal e Timor Leste - com representatividade em mais de 1.600 Clubes.

 

Considerando que, entre os objetivos do evento, está o de evidenciar as ações positivas realizadas nos campos da educação, da cultura e dos programas de ajuda humanitária que existem entre as nações que integram a Comunidade dos países de língua portuguesa; e

 

Considerando que o evento proporcionou subsídios para os estudos acerca do estabelecimento de parcerias entre as nações que possuem o mesmo idioma – a oitava língua mais falada do mundo – em benefício do desenvolvimento de ações em suas comunidades;

 

O Fórum dos Países de Língua Portuguesa, com essas perspectivas, postula vir a ser realizado periodicamente, incentivando o desenvolvimento dos Leões e a expansão de Clubes, tornando-se um meio de divulgação dos programas de cooperação entre esses países.

 

O Forum propõe o reconhecimento e a inclusão do português como uma das línguas oficiais da ONU.

 

O Forum propõe que sejam ampliadas as relações com as universidades dos países lusófonos como forma de atuação do Lions nestes países.

 

Por fim, pretende proporcionar condições para que sejam estreitados os laços de amizade e de irmanações entre os Clubes de Serviço das Comunidades Lusófonas.

 

Carta aprovada na sessão de encerramento do Forum no Rio de Janeiro, Brasil, em 07 de junho de 2013.

 

Selma Aragão

Governadora do Distrito LC-1

 

 

 

Rua México, 11 - sala 1802 - 20031-144 – Centro - Rio de Janeiro - RJ

www.lionslideranca.org.br        -          lionslideranca@lionsliderenca.org.br